Próxima reunião: a ser definida.

Ata Reunião 02/02/21

Às 20 horas, do dia dois de fevereiro de 2021, atenderam à convocação de Assembleia Geral Ordinária da Amonc através de plataforma virtual (Link Evento Virtual: Link meet.google.com/ksg-ybdo-vdq), os seguintes associados: Carlos Apolllaro, Maria Izabel Koerner, Douglas Trainini, Eulógio Martinez Neto, Márcia Souza, Ricardo Lima, Roberto Malamud, Rodrigo Pimenta, Sérgio Rangel, Solange Malamud, Suzana Beiro, Tiago Lecey. A presidente da Amonc, Maria Izabel, procedeu a abertura, dando as boas-vindas e anunciando que a associação incluirá a proteção à restinga dentre os projetos a serem enviados ao CODESUL salientando a importância do tema. Na sequência, o vice-presidente, Carlos Apollaro, prosseguiu com os temas a serem discutidos e deliberados na presente assembleia ordinária. Inicialmente, em consideração a comentários que têm surgido nos grupos de whatsapp do loteamento, reforçou que a Amonc não atua em causa própria de qualquer um de seus associados, não tem interesse político partidário e ou não representa nenhum interesse privado. Trabalha exclusivamente em defesa do meio ambiente e em prol da manutenção da qualidade de vida dos moradores representando todo o bairro e moradores através de seus associados ativos. O segundo tema foi sobre saneamento. Após debate sobre o tema, alguns pontos ficaram pacificados e acordados: não há saneamento no loteamento; estamos à beira de que o emissário seja de fato construído; necessidade de cobrar saneamento para o bairro; voltar ao movimento contra o emissário. Comentou-se a incompetência operacional da Casan, exemplificando-se com o acidente na Lagoa da Conceição ocorrido recentemente. Identificou-se a necessidade de retomar a comissão de saneamento da Amonc (incluindo quem mais tiver interesse) e reunir-se já na próxima semana. Por unanimidade, aprovou-se enviar ofício cobrando do poder público a fiscalização se as casas, prédios e comércios estão cumprindo com as normas de saneamento a que estão submetidos. Também, após discussão sobre a questão e apontando-se o perigo que se tem observado na rua Otávio Cruz, frente da padaria Pães e Papos, aprovou-se, por maioria o envio de ofício à prefeitura municipal solicitando alterar a ciclovia, para ciclofaixa, de forma a permitir estacionamento e trânsito na rua. Foram aprovados por unanimidade, também, o envio de alguns ofícios pela Associação: solicitar a limpeza e manutenção do lençol freático - questionar a prefeitura sobre o procedimento ocorrido durante as últimas chuvas e a disposição de água pluvial e resíduos que foi feita através de caminhões pipa e os impactos nas galerias pluviais e lençol freático do loteamento; solicitar a sinalização com nomes de ruas, velocidades máximas permitidas, limpeza pluvial; notificar proprietários de imóveis que não tenham calçadas; limpeza de terreno e cercar terreno. Encerrada esta primeira parte da Assembleia, passou-se à análise das propostas de investimento, com a utilização da verba não utilizada em 2020 e arrecadada em 2021, excetuando-se os recursos oriundos das contribuições destinadas às custas advocatícias, já que são iniciativas individuais e espontâneas. Para este fim, já arrecadamos aproximadamente R$15.000,00 (quinze mil reais). Carlos apresentou algumas ideias iniciais: - conserto de bueiros – são oito quebrados com risco de acidentes a um custo de aproximadamente R$800,00 (oitocentos reais); - recuperação das dunas – colocar, até que que seja feita a recuperação, tapumes/contenção temporários, desde que autorizados pela Floram. Neste caso, a Floram auxiliaria com o replantio, valor aprox.. R$2.000,00 (dois mil reais); - placas de sinalização área residencial, para tentarmos reduzir o barulho, mediante autorização da Floram, custo de cada R$300,00 (trezentos reais); - JS faria a colocação de 4 ou 6 câmeras com custo para a Associação, voltadas para a rua em pontos cegos que não são cobertos por câmeras particulares. Após algum debate acordou-se da seguinte forma: - não consertar os bueiros por ser obrigação da Prefeitura Municipal; - colocar meio tapume temporário e educativo por ser menos agressivo à paisagem; - placas aprovadas; - câmeras aprovadas. Carlos atualizou os presentes sobre o andamento das ações jurídicas. E mais: o projeto da passarela encontra-se parado na Secretaria Adjunta de Obras da Floram, a proposta é evoluir o levantamento de custos e levar ao grupo da Associação. Os projetos encaminhados ao CODESUL em 2020, por conta do Covid, não aconteceram, a sugestão é reelencar e reenviar. Rodrigo lembra que o roteiro dos projetos do CODESUL deve ter sido enviado ao email da Amonc e há que redesenhar, só não necessitando novo orçamento. A reunião de projetos do CODESUL será dia 20/02/2021. Ainda há uma breve discussão sobre o trânsito dentro do loteamento, em que Ricardo lembra da necessidade de sinalização na rótula da entrada do loteamento; Solange sugere mão única na rua Nivaldo Dias e Gilmar Darli Vieria mas o tema não se esgota aí, existindo a possibilidade de manutenção das duas mãos com proibição de estacionamento de um dos lados ou criação de uma ciclovia, já que a situação atual com estacionamento permitido dos dois lados e mão dupla torna a via intransitável.  O assunto será levado a Prefeitura para avaliação. Assim, nada mais havendo a tratar, às 21:48, a presidente Maria Izabel encerra a presente AGO, agradecendo a participação de todos, lembrando que fazemos parte da história do saneamento da cidade e crê que podemos dissuadir a Prefeitura Municipal de Florianópolis de construir o emissário. Em 2021 vamos evoluir e conseguir realizar. Carlos coloca que temos umas 40/50 famílias participando, são umas 200 pessoas. Somos muitos e atuantes. Obrigada.

Cadastra-se

©2018 by AMONC. Proudly created with Wix.com